Alívio cômico na figura de Jar Jar Binks

1

Desde quando o teatro surgiu na Grécia antiga que a comédia está inserida no contexto da interpretação. No cinema não é diferente já que alguns filmes se sustentam justamente pela sua carga lúdica, destacando aqui e ali, um ou outro personagem que possa servir de base para um alívio cômico. Isso quando o filme não é voltado inteiramente para o gênero da comédia, aí para quebrar o gelo que a tensão da história pode trazer, algum personagem engraçado pode ser introduzido e interagir com os protagonistas. A Marvel Studios, por exemplo, está em ótima sintonia ao equilibrar perfeitamente bem seus heróis dos quadrinhos com seus alívios cômicos, com as piadas saindo, na maioria das vezes, no momento certo. E rir, obviamente vai deixar o espectador bem mais a vontade ao absorver a história que está sendo apresentada, de uma forma muito mais divertida. Mas e quando o alívio cômico não funciona? No final dos anos 90 houve um regozijo imenso entre os fãs do universo de Star Wars, pois se ficou sabendo que George Lucas iria retomar a franquia para produzir os Episódios I, II e III encerrando de vez toda a saga. As Prequels, como ficaram conhecidas a nova trilogia, agradaram uns e desagradaram outros, mas aceitando ou não, é Star Wars, e com os prelúdios tivemos: os jovens Anakin e Obi-Wan, o Conselho Jedi, corrida de pods, Qui-Gon Jinn, Darth Maul, Jango Fett, Conde Dookan, lutas de sabres espetaculares e, apesar dos pesares, dentre diversos personagens e lugares legais também tivemos o … Jar Jar Binks!

Particularmente não tenho nada contra o personagem, mas devo admitir que ele não funcionou, não agradou em nada a maioria dos fãs, mas ele está lá, faz parte do cânone. Diferentemente do povo Gungan que é bem interessante, com sua cultura e toda a sua civilização desenvolvida em pântanos e aldeias subaquáticas, com uma tecnologia nem tão primitiva como aparenta, mas mesmo assim, infelizmente Jar Jar Binks não funcionou. Em entrevistas anteriores ao lançamento de A Ameaça Fantasma, Lucas havia dito que Jar Jar era para ser o personagem mais engraçado de toda a saga, uma mistura de comediantes de filmes mudos como Buster Keaton, Charlie Chaplin e Harold Lloyd com um pouco de Jimmy Stewart e Danny Kaye. Repito: mesmo assim Jar Jar Binks não funcionou, ele não é engraçado, ele é chato; e mesmo você que, por acaso aceitou o Jar Jar do jeito que é e ostenta só um pouquinho de raiva de George Lucas por ele ter estragado o personagem, saiba que sua raiva pode aumentar depois que descobrir que no primeiro manuscrito do roteiro Jar Jar Binks era para ser totalmente diferente. Não na raça, ele é Gungan e os Gungans continuam sendo Gungans, acontece que Jar Jar era para ser um guerreiro visionário, o Rambo dos Gungans, tão sábio quanto qualquer mestre Jedi, com diálogos fortes e atitudes heróicas. Infelizmente a versão do primeiro manuscrito que traria o Jar Jar badass não aconteceu, assim como a história de A Ameaça Fantasma que parecia ser bem mais legal também não aconteceu. Mas por que cargas d’água Lucas mudou Jar Jar de sábio brilhante para um péssimo comediante?

George Lucas parece ter se confundido ao achar que Binks funcionaria sendo engraçado, no entanto todo alívio cômico pode ser bom, basta ser bem trabalhado. Em uma versão Lego, por exemplo, o líder dos Gungans Boss Nass interage com Han Solo e só essa cena de uns poucos segundos é mais engraçada do que todas as atuações de Jar Jar juntas. Na Trilogia Clássica, C-3PO deu muito certo com suas atitudes meio desajeitadas que equilibraram com a esperteza de R2; em Rogue One o droide ingênuo K-2SO também nos deu diálogos engraçados e um tanto quanto meigos, porém mostrou muita bravura e inteligência quando era para ser sério como na Batalha de Scarif; em O Despertar da Força, todos os personagens tiveram uma ponta de alívio cômico equilibrando muito bem as piadas em cenas específicas, parece que J. J. Abrams não queria que apenas um tivesse que carregar o fardo sozinho. E quanto ao alívio cômico na figura de Jar Jar Binks? O personagem teve diálogos fracos, atitudes pífias, mostrou incompetência no campo de batalha, atrapalhou, incomodou, não agradou, infelizmente não funcionou. É uma pena que o personagem não tenha funcionado, gostaria de vê-lo em algum outro filme ou spin-off de Star Wars, mesmo que continuasse sendo um alívio cômico, porém mais digno de ser parte do cânone, com atitudes que nós, fãs, tivéssemos orgulho em ver. Não é desmerecer o trabalho de George Lucas, até porque se não fosse por ele não teríamos Star Wars, mas agora que a Lucasfilm pertence à Disney, outro diretor poderia introduzir Jar Jar, nem que seja em um easter egg e dar mais dignidade a ele, redimi-lo dos erros do passado, transformá-lo em algo maior, algo que todos os fãs pudessem dizer ao sair do cinema: “Esse é o Jar Jar Binks que eu queria ter visto.”

Frase de Star Wars que não está em Star Wars:

“Eu viajei muito longe. Vi muitas maravilhas. Temos que nos tornar parte do universo. Isolados, nós morreremos.” Por Jar Jar Binks (frase original da versão do 1º manuscrito do roteiro de A Ameaça Fantasma)

Compartilhe

Sobre o autor

Marcelo Mesquita é membro do Conselho Jedi do Rio de Janeiro e apaixonado por Star Wars.

1 Comentário

Deixe seu comentário