Hoje é um dia profundamente triste. Mas não vamos chorar. Carrie Fisher nos ensinou justamente o oposto.

0

Por Yan Caetano

Em 1977, Star Wars espantava o mundo com sua inovação tecnológica. No meio do estrondoso sucesso de George Lucas estava uma jovem atriz, sorridente, pequena de tamanho, mas com uma força incrivelmente visível. Com voz grossa, olhar penetrante e sorriso acolhedor, Carrie Fisher apresentava ao público uma das primeiras protagonistas femininas fortes do cinema.

Forte, essa é a palavra. Enquanto todos os generais e oficiais do Império suavam de medo com a presença de Darth Vader, Leia enfrentava o vilão de igual para igual, no diálogo. E não só Vader. “Governador Tarkin, reconheci o seu mal cheiro. Eu já esperava encontrá-lo segurando Vader na coleira”, ela diria.

Donzela em perigo? De modo algum. Assim que resgatada, Leia já assumiu o comando do seu próprio resgate. E assim, com essa força e postura, perdurou durante toda a saga. De Princesa a General.

E por quê estamos falando de Leia? Poucas vezes no cinema a personagem se confundiu tanto com a atriz. Se Leia tem o ímpeto, a força, o controle, a gentileza e o amor de uma mulher incrível, é porque Carrie Fisher a fez assim. Carrie era tudo o que Leia era e mais um pouco. Engraçada, carismática, uma das maiores presenças do elenco de Star Wars no palco. Cativava todo mundo, nunca tirava o sorriso do rosto. Sempre feliz.

Uma estrela, uma verdadeira estrela. Não no sentido “celebridade” da palavra, mas no sentido de uma pessoa com uma incrível luz própria. Carrie brilhava por onde passava.

Essa luz, que iluminou o mundo desde 1956, não se apaga hoje. E nunca se apagará. Cada um dos milhões de fãs que Carrie cativou, carrega uma ponta de sua luz. Ela estará sempre viva em todos que a viram lutar contra o Império e a Primeira Ordem no cinema. Estará viva em cada cosplayer que viu nela a sua maior heroína. Estará viva em toda mulher que ela inspirou. Estará viva em todas as meninas que ainda nem nasceram, mas que a verão em DVDs e Blu-rays.

Ela sempre estará viva.

Firme, forte, impetuosa, majestosa, diva, engraçada, amorosa, sorridente. Mulher, com M maiúsculo.

Por tudo isso, embora hoje seja um dia profundamente triste, não iremos chorar. Carrie não nos ensinou isso. Muito pelo contrário. Nos alegraremos pela luz que ela nos deixou.

A Força é e sempre será forte com ela.

Compartilhe

Sobre o autor

Yan Caetano é o criador e editor-chefe do site Frases de Star Wars.

Deixe seu comentário